quinta-feira, 5 de março de 2009

Transtorno Desafiador Opositor






É a maior comorbidade encontrada em crianças e adolescentes. Sua incidência pode chegar à 65% dos casos de TDAH (DDA) dos quais 63% são meninos e 32% são meninas.
Caracteriza-se por um comportamento desafiador e opositivo com relação às figuras de autoridade, principalmente pais e professores. Para enfrentar e desobedecer aos comandos destes, violam regras, mentem, podem ser agressivos, desrespeitando limites e direitos alheios. Esse comportamento resulta em respostas punitivas, raivosas, descontroladas às quais crianças e adolescentes revidam descontroladamente.
Geralmente sentem-se injustiçados por tantas críticas e punições, gerando uma maior baixa auto-estima, mais agressividade, maiores taxas de disfunção escolar e transtornos anti-sociais.

27 comentários:

Maldita Futebol Clube disse...

Graças A DEUS não tive e se DEUS quiser não terei esses problemas com meus filhos...Complicada uma relação de desafios pais x filhos em família! Não desejo a ninguém...rs beijos prima!

Sandra disse...

Como agir como uma criança dessas que atrapalha a aula o tempo todo?

Silene Maria Novaes - Artesanato disse...

Adorei seu Blog., estou passando um momento muito dificil, acho que pelos sintomas meu filho hoje com 21 anos tem TDO. E não sei o que fazer.. Já fez sessões de terapia., mas acredito que não teve resultado.. O comportamento dele é muito parecido com o que está descrito. Não sei o que fazer. se puder me ajude!

Loana Anari disse...

Sou estudante de Psicopedagogia e gostaria de obter imágens, vídeos demonstrativos deste tipo de transtorno.

Adriana disse...

Tenho um filho que está com 8 anos e é uma criança muito fifícil. Parei de trabalhar para cuidar dele, pois é impossível de deixar com qualquer pessoa.
Na escola é um problema, muitas vezes deixa de fazer o que é colocado pela professora e muitas vezes deixa de fazer as provas.
Não sei mais o que fazer, estou desesperada, a ponto de sumir....
O que fazer, já fui em psicólogos, neuro, fono, ortoptista, psiquiatra infantil, e nada deu certo ao longo desses 6 anos!!!
Gastei com exames, testes, Pac, P 300, remédios... e nada resolve.
Deixar de castigo, tirar a mesada, o video game, bater, nada.... nada resolve.
Parece que ele tem uma pedra no lugar do coração, ele não se abala com nada e eu estou a beira de um infarte.
Se alguem puder me ajudar!!!!!
Abraços
Mãe desesperada

Patricia disse...

Estou com um filho de 6 anos e com uma dificuldade muito grande em ter algúem para me orientar sobre o assunto! Estamos eue e meu marido a enlouquecer, por conta do que escutamos de nosso filho e das atitudes dele! No colégio, já o trocamos até! No meio do ano! Não foi nem no semestre....como posso ter uma ajuda profissional?

Arlei disse...

na verdade gostaria de uma ajuda. tenho um filho de 4 anos com esse transtorno desafiador opositor, tb ta levamos na neuro, psiquiatra, gastamos com remédio, mas parece que nada surte efeito com ele, por favor nos ajude como lidar com essa situação desesperadora para nós pais.
arleineila@hotmail.com

Grilo D disse...

Eu sou portador do TDA-HI, e apresentei o transtorno desafiador-opositor mais ou menos dos 10 aos 20 anos.
Comecei a melhorar me mudando para longe (250km) da família. Hoje, aos 37, levo vida normal - com terapia e tratamento homeopático.
Para pais e professores, tenho a recomendar o seguinte:

1.Não ajam como se seu filho/aluno fosse um criminoso. Ele tem uma doença e precisa ser tratado. Encaminhem logo à ajuda de profissional e ACOMPANHEM O TRATAMENTO DE PERTO (lembrem que terapia de criança é mais para os pais do que pra criança).
2.Também não o tratem como um coitado - NÃO É. Todas as responsabilidades de uma criança normal se aplicam ao opositor. Caso contrário, a tendência é o transtorno virar desvio de conduta (agora sim, sintam medo!).
3.OUÇAM a criança. Inúmeras vezes, transtornos podem ter origem na família (isto mesmo: em você - não faça cara de injustiçado), e um ambiente de diálogo é uma porta de saída. Sem esta porta, a criança procurará outras (eu achei álcool, maconha e mais gente perdida - seus filhos podem ter algo melhor).
4.NÃO TROQUE FRENETICAMENTE DE ESCOLA. A criança achará que o problema é a escola. Além disso, nunca conseguirá se adaptar. A rejeição, a "culpa dos outros" e, também, a ansiedade pelas mudanças frenéticas agravarão o problema.
5.Não se sinta culpado nem coitado. Se sinta responsável - que é o que você é - e aja!

O importante é que pais e professores estejam engajados e bem próximos à criança, usando o aconselhamento profissional para tomar boas atitudes e não deixar o desespero ou "palpitólogos" acabarem com o futuro da criança.
Abraços,
Grilo D

PattyGasques disse...

Realmente o que o Grilo colocou são verdades que precisam ser acatadas, para que a criança e os pais juntos consigam vitorias, que como ele mesmo colocou, podem ser conquistadas, com muita paciência e amor. Sou Psicóloga e o que mais vejo na clínica são pais querendo se livrar do problema, mais sem o menor envolvimento, tanto com o tratamento como com a criança. Se não houver participação direta dos pais quase nada é possívwel fazer. E o maior prejudicado é a criança.

daniele disse...

Olá , meu nome é Daniele e tenho uma filha de 8 anos ,dede dos 3 anos foi diagnosticado que ela sofria de ssa doença e também de transtorno bipolar já fiz de tudo ja levei para neuros ,começou a tomar remedios como neleptil e por ultimo respiridon, mas foi ai que o caso se agravou o remedio a fazia ficar tão mal , tão agitada que um dia ela chegou a pegar uma faca para se matar( com apenas 4 anos )foi ai que eu resolvi de parar de dar lhe o remedio a neuro não queria ,mas eu acabei parando de leva- la na doutora . E sei cada dia está mais dificil , pois ele não respeita ninguém , com o pai então ela tem um relaciomenamento mais dificil ainda e eu já estou ao ponto de parar no hospicio amo minha filha e não quero perde -la para esta doença maldita só não sei o que fazer por favor me ajude estou completamente desesperada. è muito dificil ve sua filha sendo rejeitada e maltratada as vezes até pelos propios parentes . Ela é muito doce e as vezes isso tudo muda dando lugar a uma pessoa implicante , egoista e até maldosa não fisicamente , mas verbalmente ela fala que não gosta da gente que queria outros pais , arruma as roupas pra ir embora etc... Ai eu fico pensando se nesta idade esta assim , quando estiver com 12 ,o que vai acontecer?Tento da limites mas tambem dou carinho ,elogio quando faz certo , mas infelizmente não adianta ,mas uma vez eu peço me ajude !!!!!

gabi disse...

tenho um filho de 13 anos que tem este problema ,a convivencia é bem dificil,atualmente tenho levado ele na igreja evangelica e Deus esta realizando um milagre!O segredo é crer e perseverar!

pati_cia_43 disse...

Olá tenho uma menina com 3 anos que tem tido atitudes muito parecidas com o TOD, irei fazer tomografia e levei-a a um neuro, me sinto desinformada e tambem fracassada, sei que ela sofre tanto quanto eu, pois ela nao é compreendida, na escola ocorre a mesma coisa, ela nao aceita nenhuma ordem, ela decide o que quer e dificilmente agente consegue reverter. Faz xixi na cama toda noite, e mudou muito o seu comportamento depois que eu tirei a chupeta dela, ameaças ocorrem o tempo todo (vou te matar, vc é feia) as vezes sem motivo nenhum ela olha pra mim e diz q sou feia (é claro q nao me ofendo com isso), mas entendo a linguagem dela que deva ser uma ofença mto grande pra ela. me ajudem!!

elisangela disse...

Sou professora e tenho uma aluna com TDO. Adorei o blog. Visitarei sempre a procura de novidades

Luciana disse...

Meu filho de 5 anos tb foi diagnosticado com Tdo e já tinha melhorado muito e agora começou a regredir na escola.Nãotermina as tarefa e agora anda batendo nos colegas e cuspindo. O que devo fazer? Aou contra bater e vou começar a cortar o que ele gosta,como computador,etc. Alguém pode me dar alguma sugestão ?
Obrigada.
Luciana

carolina disse...

sou mãe de um menino de 10 anos que aos 5 foi diagnosticado que tem esse transtorno desde então faz terapia e toma medicação tinha melhorado muito mas em setembro do ano passado regrediu muito principalmente na escola é uma luta diária porque é muito difícil outras pessoas entenderem que o seu filho não é mal educado que isso é uma doença muito séria ,ele também tentou se jogar do 3 andar da escola ,olha o que eu posso dizer que temos que dar muito amor para essas crianças mostrando que realmente nos importamos mas sem deixar de ter autoridade e de impor limites elegendo prioridades se quiser exigir tudo pode acabar sem conseguir nada ,poderia ficar horas escrevendo sobre isso vai fazer cinco anos que me dedico diariamente a ele não desanimem e leiam muito sobre o assunto quanto mais informados melhor .fiquem com Deus

opositores disse...

Sou psicologa, trabalho com pais, crianças e profss. É dificil confesso. Apenas alguns comentarios: Pais estejam unidos, se apoiem na hora de colocarem as regras(é fundamental)se um discutir a decisão do outro, esse filho percebe rapidinho e passa a usar contra vcs; ajuda médica pode ser util em alguns casos; por mais que doa, aprenda a conviver e se possivel aceitar a rejeição que seu filho sofre, acrediteá dor maior é pra ele, separe a dor dele da sua e procure assim ajuda-lo; os pais tb precisam de ajuda psicologica, procure, busque sem preconceitos; opositores/desafiadores tb ouve e compreendem (por mais que não aceite) fale as regras de forma clara, palavras simples (se associar a uma punição, cumpra-a SEMPRE) e não fale demais por horas a fio, nos so ouvimos o que interessa; leia (mas não faça comentarios) bons livros pra seu filho; uma vez por semana (no minimo) leia de um livro religioso com toda a familia reunida,pequenos trechos, e façam comentarios (mas não direcionado ao opositor)isso ajuda a fortalecer os vinculos familiares;

bjs. Força.....

Michele e Kelly disse...

Olá, gostamos muito por tu teres abordado esse tema em seu blog.
Um transtorno ainda um tanto desconhecido, mas que como educadoras neste ano nos deparamos com um aluno com o transtorno.
É tão dificil compreendermos até que ponto ele pode desafiar, ou melhor que podemos deixa-lo decidir.
Aplicamos muitas atividades onde ele precisa seguir orientações:cores determinadas, procedimentos com passos que ele deve seguir.Quando isso acontece, ele fica irritado,fica muito tempo tentando convencê-la de que é pra ser do jeito dele, estamos no caminho certo?Devemos fazer esse tipo de atividade para que ele siga as orientações?
Por favor, nos ajude, ele também será nosso estudo de caso no artigo cientifico, de nossa pós-graduação.
obrigada...Kelly e Michele

ana disse...

Meu nome é Ana, tenho um filho de 13 anoscom TDO, gente é um convivioextremamente dificil, muitas e muitas vezes acho que vou acabar tendo um ataque de interismo, pq é muito dificl. O pior de tudo é que minha filha de 7 ama ele e copia ele em tudo.Ele toma remédio faz tratamento individual em familia, bom tudo que eles mandam eu fazer eu faço, obedeço,mas parece que nada surte efeito.è sufocante.E nos momentos que ele está bem é o menono mais carinhoso que eu já vi, são 2 extremos.Sabe meu folho já não tem mais amigos. ele pratica esporte (coletivo)isso tem ajudado.è uma luta diária.

Janaina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Janaina disse...

Hoje meu filho tem 10 anos, desde os 3 anos foi diagnosticado TDO e tb com quadro de psicose infantil, bipolaridade. Concordo em genero, número e grau com todos aqueles que escreveram no blog, mas no meu caso foi necessário o acompanhamento com psiquiatra, psicologa, fono, psicopedagoga. Faz uso de medicações, neuleptil, topiramato e ritalina, acho que seria impossível se ele não tomasse os remédios. Ele é agressivo, mas hoje o quadro ao longo dos anos está mais estável. É uma criança que esgota nossas energias. Atualmente é acompanhado pela psiquiatra e psicologa as duas fazem um trabalho em conjunto. Já avançamos bastante. Larguei minha carreira para dedicar-me a ele, mas tenha também uma menina de 7 anos que é o oposto dele. A minha sugestão é: nunca desistir por mais que muitas das vezes passe isso pela cabeça. TEnte colocar regras e limites mas com muito jeito, dando amor , carinho que aos pouco eles vão assimilando. Fico com ele na escola para ajuda-lo no processo de sociabilização (Graças a Deus, tive ao longo desses anos, boas pessoas que me ajudaram nessa caminhada uma delas foi a compreensão da escola. Gostaria de fazer muito mais pelo meu filho, mas tudo o que pensamos em fazer para auxiliá-lo é muito caro. Tenho mensalmente uma despesa alta com ele, escola particular, psiquiatra, psicologa. Deveria ter uma lei que beneficiasse os portadores de transtornos a ter acesso a todos os tipos de tratamentos gratuitos. Penso, hoje tenho alguma condição de cuidar do meu filho e aqueles que não tem meios para isso, fica jogado ....

Mãe especial disse...

MEU FILHO TEM TRES ANOS E TEM TOD E TDAH.FAZ TERAPIA E COMEÇOU A TOMA RITALINA QUE O MELHOROU MUITO.ESTAVA INDO MUITO BEM NA ESCOLA ATÉ TROPCAREM DE PROFESSORA E A NOVA ELE NÃO ACEITOU E NEM ELA O ACEITOU.ELE GRITAVA PARA ENTRAR EM SALA DE AULA E A PROFESSORA NOVA NÃO FEZ NENHUM MOVIMENTO DE APROXIMAÇÃO,POR FIM DESISTI DE LEVÁ-LO E A ESCOLA CAGOU E ANDOU.NOÚLTIMO DIA DEAULA QUEA PEDAGOGA QUERIA CONVERSAR COMIGO.AH!ME POUPE.ELE TEM MELHORADO,USO ESTRATÉGIAS.POR EX.ELE NÃO DEIXAVA EU BEIJÁ-LO,PASSEI A BEIJAR SOMENTE O COLEGUINHA DELE E AGORA ELE VIVE ME BEIJANDO,RSOS.ESTAMOS TENDO PROGRESSO....UM DIA DE CADA VEZ.

virginia disse...

Oi,sou mãe de uma menina TDO e Bipolar Afetiva e TOC,no início fui a loucura,não entendia o quanto era grande e desafiador conviver com esses transtornos,ainda mais quando olhamos para nossa filha e nos sentimos impotentes perante a doença,desde que ela nasceu percebi o quanto ela era diferente do meu filho,quando começou os primeiros surtos fiquei sem ação...mas com o tempo e muitos pisiquiatras foi diagnosticados os transtornos,ficou hospitalizada 47 diasna psiquiatria do hospital de clinicas,foi onde melhorou uns 80%mas mesmo assim é uma luta diaria,hoje ela faz tratamento constante toma medicações(600grs de carbamazepina e 4mg de respiridona)diariamente,mas vou levando,aprendi a lidar com o problema,sempre repetindo e impondo regras e limites,mas tratando com muito carinho,respeito e amor!nunca esquecendo que apesar de ela ter transtornos ela é uma ciança,e acima de tudo minha FILHA a qual AMO INCONDICIONALMENTE!Força e muita paciencia e principalmente muito amor essa é minha maior dica!!!

virginia disse...

Oi,sou mãe de uma menina TDO e Bipolar Afetiva e TOC,no início fui a loucura,não entendia o quanto era grande e desafiador conviver com esses transtornos,ainda mais quando olhamos para nossa filha e nos sentimos impotentes perante a doença,desde que ela nasceu percebi o quanto ela era diferente do meu filho,quando começou os primeiros surtos fiquei sem ação...mas com o tempo e muitos pisiquiatras foi diagnosticados os transtornos,ficou hospitalizada 47 diasna psiquiatria do hospital de clinicas,foi onde melhorou uns 80%mas mesmo assim é uma luta diaria,hoje ela faz tratamento constante toma medicações(600grs de carbamazepina e 4mg de respiridona)diariamente,mas vou levando,aprendi a lidar com o problema,sempre repetindo e impondo regras e limites,mas tratando com muito carinho,respeito e amor!nunca esquecendo que apesar de ela ter transtornos ela é uma ciança,e acima de tudo minha FILHA a qual AMO INCONDICIONALMENTE!Força e muita paciencia e principalmente muito amor essa é minha maior dica!!!

Natália disse...

Oi, também tenho um filho diagnosticado com tdah e hoje desconfio que ele também possua tdo, pois encaixa nos sintomas... é muito frustrante e desesperador, e fico pensando se é culpa minha, se eu poderia ter evitado? deixo meu e-mail, para pais que possuem o mesmo problema se quiserem conversar comigo. Abraço. nfpacheco@gmail.com

Flávia Nunes disse...

Gostei do Blog, mas seria mais legal se o (a) autor (A) interagisse respondendo os comentários...

Nelso Martins disse...

meu filho tem este trantorno e realmente é muito dificil nem trabalhar eu consigo

Raquel Calais disse...

Terapia e medicamentos. Meu filho é TDAH e é opositivo desafiador