domingo, 12 de outubro de 2008

Álcool: do céu azul a noite de inverno - Parte III - Final

Tratamento Psiquiátrico: Como vimos nos escritos anteriores do DSM-IV, o álcool, pode levar o seu usuário a quadros severos de demênciae de diferentes pertubações chamadas de doenças mentais. Muitos pacientes evoluem de anomalias orgânicas inicais de correntes do alcoolismo para quadros considerados graves e comprometedores de doenças mentais. Sendo necessário um forte tratamento medicamentoso juntamente com outras formas de tratamento, como: psicoterapia, aconselhamento psicológico, grupos terapêuticos... para que o paciente além de um prorcesso de desintoxicação possa depositar uma nova estrutura emocional para a efetiva superação de seu comprometiomento orgânico e emocional.
Tratamento Psicológico: Existem diversos tipos de tratamento psicológico para pacientes usuários do álcool. Dividem-se em dois módulos e, na quase totalidade dos casos, são pareados com acompanhamento medicamentoso devido apresentarem quadro de comprometimento orgânico e encaminhados ao tratamento psicológico.Assim, eles se dividem em aconselhamento psicológico e psicoterapia.O aconselhamento psicológico destinado a pacientes alcoólicos é direcionado no sentido de fazer com que esses reflitam sobre a sua condição de vida diante do quadro de alcoolismo.
O aconselhamneto psicológico é uam modadlidade de tratamento que surgem ocupando um espaço de intervenção de diferentes tipos de pacientes e que , no caso específico dos alcoólicos, se mostra como sendo uam alternativa bem interessante.
A Entrevista Motivacional também é usada por muitos psicoterapeutas.
A psicoterapia , em contraponto com os outros tratamentos citados anteriormente e fazendo referência ao processo individual de psicoterapia, terá sobre si o fato de ser um processo de adaptação do paciente as suas normas e ao próprio modo que ela é estruturada.
Grupos de Apoio Leigos: Hoje em dia podemos acrescentar o grupo de alcoólatras anônimos chamados de AA. Recentemente houve mudanças significativas na estrutura do AA e até mesmo familiares desses usuários passaram a poder freqüentar essas reuniões. O mais importante ao meu ver é que os AAs passaram a ter uma configuraçaõ própria e sem qualquer vínculo, seja ele religiosao, ideológico ou político.

Um comentário:

Scheilla disse...

Adorei!!! Sua iniciativa de colocar um assunto que todos deveriam sempre estar informados, É de grande ajuda porque quem hoje em dia não tem um familiar que apresenta esse problema e a própria família não aceita e não procura ajuda pq não sabe aonde procurar e deixa cada vez mais ir a frente essa doença. Ou então, por vergonha?
A divulgação é muito útil e de grande valia para todos.
Scheilla Oak