sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Álcool: do céu azul a noite de inverno - Parte I


O alcoolismo é considerada a segunda droga que mais destrói o Homem, sua ação é duzentas vezes maior do que o tabaco, que mata cem vezes mais do que todas as drogas juntas.

Nós, profissionais de saúde em contato com alcoolismo nos hospitais e consultórios evidenciamos o nível de violência intolerável em relação ao seu uso abusivo.

Ou seja, o álcool usado abusivamente faz com que seu próprio usuário se violente contra si mesmo e depois logo em seguida ao outro, com cenas sempre lamentáveis e até mesmo considerada repugnantes proporcionada pela embriaguez, seja por ações e violência física.

A familia atingida por essa situação sofre o desgaste, o trauma da agressão, como ainda a destruição de móveis e utensílios domésticos, é com freqüência que o alcoolismo é atingido em todas as camadas sociais.

Desculpas são utilizadas para justificar a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas, como verdadeiras "muletas" para resolução de problemas seguidos de patologia.

A ingetão do álcool em excesso destrói de maneira lenta, como se fosse um suicídio das sociedades contemporâneas.

Destrói de maneira vagarosa, segura e eficaz. Suas chances de falha são praticamente nulas em um determinado momento, incluindo-se aí o tempo de ingestão da bebida e ao grupo a qual ela pertence, pelas próprias enfermidades são irreversíveis.

Muitos pacientes que nos procuram, no momento de crise, possuem comprometimento hepático grave e que não podem se aproximar de uma copo de bebida alcoólica, seja pela sua dependência orgânica ou pela o desejo de destrutividade, voltam a beber de manira decididamente letal.

No DSM-IV, encontaremos citações de danos irreversíveis causados ao organismos pelo álcool, assim como alterações de comportamento e/ou psicológicas clinicamente expressivas como: comportamento sexual agressivo ou inadequado, evidências na fala, falta de coordenação motora, prejuízo da atenção, memória, estupor ou coma.

Além de quadro de transtornos induzidos pelo álcool como: delírio por intoxicação, por abstinência, demência persistente, transtorno anestésico persistente, transtorno psicótico, transtorno de humaor, transtorno de ansiedade, disfunção sexual e transtorno do sono.

O álcool pode transformar em instrumento letal, quando associados à ingestão de outras drogas.

A ingestão diária de bebidas destiladas, ainda que de maneira moderada, vai lesando o organismo, destruindo os neurônios cerebrais, e toda a estrutura celular, além de lesões no estômago, sistema cardiovascular e fígado. O álcool mata!!!!!

2 comentários:

Leleia disse...

oi Rosa...adorei o seu blog...quem te conhece sabe o quanto voce batalhou por isso. Parabéns pela grande profissional que voce é...bjs...Leléia

Didática nas Práticas Educativas disse...

Oi,
o álcool é um mal que cada vez cresce mais principalmente entre os jovens.E ele não tras nada de bom, pelo contrário pode até matar. Os jovens tem que se conscientizar que não é preciso para se divertir o uso do álcool.

Parabéns pelo blog, está lindíssimo!!

bjoss

Lívia Soares