sábado, 27 de junho de 2009

Michael Jacksons um pop star que sofria de dismorfofobia.


Morre Michael Jackson, quem nunca dançou ao som da musica de Michael Jackson... me lembro quando ele ainda era negro e começava a fazer sucesso cantando: Ben, Music and me, All be there e Happy, já dancei muito com rostinho colado essa músicas românticas nos bailinhos de sábado.
Michael Jackson poderia ter sido o maior astro negro da cena musical norte-americana. Mas não queria ter a cor da pele que tinha. Agora que ele está morto, não temos como evitar de mencionar o mal-estar que ele próprio provocou. Um mal-estar que remete a esse indivíduo andrógino, com um rosto empalidecido e deformado, decomposto por cirurgiões.

As pessoas que acreditam, de forma obsessiva, ter uma aparência física imperfeita sofrem de uma doença: o transtorno dismórfico corporal, historicamente conhecido como dismorfofobia, ou medo da feiúra; e Michael sofria de dismorfofobia.

Tais pessoas vivem se olhando no espelho ou, ao contrário, evitam-no, aterrorizadas com a possibilidade de entrever o próprio rosto. Temem o convívio social, pois em público tornam-se ainda mais dolorosamente conscientes da própria deformidade imaginária.

A dismorfofobia faz parte dos transtornos obsessivos, que determinam em grande parte o pensamento e a conduta.

Evidentemente, desejar uma operação de cirurgia estética não é em si um sinal de psicose. As pessoas que se submetem a um lifting ou lipoaspiração costumam ficar satisfeitas após a intervenção.

Outras, porém, procuram continuamente o bisturi para corrigir defeitos imaginários, sem obter resultados que considerem satisfatórios. Era o caso do cantor Michael Jackson, que parece considerava seu rosto um projeto eternamente inacabado.

Hoje, desaparece um artista marcado por seu talento musical, mas também por suas excentricidades. Primeiro, foi a bolha de oxigênio na qual ele passava longas temporadas para tornar mais lento o processo de envelhecimento. Depois, os rumores de que queria deixar de ser negro para se tornar branco.

Lamenta-se a perda do popstar bem-sucedido, que atingia as massas – algo que o torna tão especial em meio a tantos outros – e era o mais idiossincrático e mais misterioso de todos os tempos.

Alguém que nunca teve a chance de saber o que é a vida normal de um ser humano.

4 comentários:

Maldita Futebol Clube disse...

Popis é , rosa, mas ele deixa um legado de superproduções, de uso de coreografia nos espetáculos, de malemolência e interpretação tetaral no palco, de uso da imagem para valorizar a sua música! e de inovação em clipes! Em que pese sua personalidade, um tanto quanto apática e com fobia de tudo, acho que o que ele sofria era mesmo trauma de infância, viadagem e padecia de seu super talçento e exposição na mídia o fazerem ser prisioneiro de si mesmo. A brytney passou por isso e se safou por ter mais ajuda da familia, mas ele não pôde recorrer a familiares...postamos lá no blog tb...de uma chegada lá,beijos!

SCHEIILA OAK disse...

Pois é, morreu cedo, rico,famoso, mas, infeliz.... Certamente ele foi o boom do universo musical, revolucionou várias gerações. Deixa uma discografia, coreografia, sua marca, no mundo musical, e, deixa tbm um exemplo para muitas pessoas que hj em dia não estão satisfeitas com sua aparência...Todos criticam,mas, o dinheiro fala mais alto, até para os médicos, que fazem tudo para satisfazer seus "clientes".

Maldita Futebol Clube disse...

Rosa, aparece por lá...postei magnum vc gostava? rs beijão, leandro

Unknown disse...

Não gente,ele tinha aquela doença que mancha a pele,ele tomou medicações para acelerar o processo,ou ficaria preto e branco ao mesmo tempo,No corpo de delito dele,provaram que ele só mexia no nariz,por que erraram a primeira cirurgia que ele avia feito.Nao julguem,o avanço que a África teve de diminuição de crianças com fome foi graças a ele.