quinta-feira, 10 de março de 2011

ABUSO SEXUAL INFANTIL É CRIME!!!


Cada dia que passa mais nos deparamos com casos proximos ou distante de abuso sexual infantil, seja nos jornais, tv, ou proximo de seu trabalho ou residencia.
O abuso sexual às crianças pode ocorrer na família, através do pai, do padrasto, do irmão ou outro parente qualquer. Outras vezes ocorre fora de casa, como por exemplo, na casa de um amigo da família, na casa da pessoa que toma conta da criança, na casa do vizinho, de um professor ou mesmo por um desconhecido.
Abuso Sexual como qualquer conduta sexual com uma criança levada a cabo por um adulto ou por outra criança mais velha. Isto pode significar, além da penetração vaginal ou anal na criança, também tocar seus genitais ou fazer com que a criança toque os genitais do adulto ou de outra criança mais velha, ou o contacto oral-genital ou, ainda, roçar os genitais do adulto com a criança.
Às vezes ocorrem outros tipos de abuso sexual que chamam menos atenção, como por exemplo, mostrar os genitais de um adulto a um criança, incitar a criança a ver revistas ou filmes pornográficos, ou utilizar a criança para elaborar material pornográfico ou obsceno. 
Como proteger as crianças? Como orientá-las? O dano emocional e psicológico, em longo prazo, decorrente dessas experiências pode ser devastador.
Quando a  criança ainda não tem idade para compreender com adequação a questão sexual, explique que algumas pessoas podem tentar tocar as partes íntimas (apelidadas carinhosamente de acordo com cada família), de forma que se sintam incomodadas.

Algumas orientações devem ser dadas como:

1.Dizer às crianças que "se alguém tentar tocar-lhes o corpo e fazer coisas que a façam sentir desconfortável, afaste-se da pessoa e conte em seguida o que aconteceu."
2.Ensinar às crianças que o respeito aos maiores não quer dizer que têm que obedecer cegamente aos adultos e às figuras de autoridade. Por exemplo, dizer que não têm que fazer tudo o que os professores, médicos ou outros cuidadores mandarem fazer, enfatizando a rejeição daquilo que não as façam sentir-se bem.
3.Ensinar a criança a não aceitar dinheiro ou favores de estranhos.
4.Advertir as crianças para nunca aceitarem convites de quem não conhecem.
5.A atenta supervisão da criança é a melhor proteção contra o abuso sexual pois, muito possivelmente, ela não separa as situações de perigo à sua segurança sexual.
6.Na grande maioria dos casos os agressores são pessoas conhecem bem a criança e a família, podem ser pessoas às quais as crianças foram confiadas.
7.Embora seja difícil proteger as crianças do abuso sexual de membros da família ou amigos íntimos, a vigilância das muitas situações potencialmente perigosas é uma atitude fundamental.
8.Estar sempre ciente de onde está a criança e o que está fazendo.
9.Pedir a outros adultos responsáveis que ajudem a vigiar as crianças quando os pais não puderem cuidar disso intensivamente.
10.Se não for possível uma supervisão intensiva de adultos, pedir às crianças que fiquem o maior tempo possível junto de outras crianças, explicando as vantagens do companheirismo.
11.Conhecer os amigos das crianças, especialmente aqueles que são mais velhos que a criança.
12.Ensinar a criança a zelar de sua própria segurança.
13.Orientar sempre as crianças sobre opções do que fazer caso percebam más intenções de pessoas pouco conhecidas ou mesmo íntimas.
4.Orientar sempre as crianças para buscarem ajuda com outro adulto quando se sentirem incomodadas.
15.Explicar as opções de chamar atenção sem se envergonhar, gritar e correr em situações de perigo.
16.Orientar as crianças que elas não devem estar sempre de acordo com iniciativas para manter contacto físico estreito e desconfortável, mesmo que sejam por parte de parentes próximos e amigos.
17.Valorizar positivamente as partes íntimas do corpo da criança, de forma que o contacto nessas partes chame sua atenção para o fato de algo incomum e estranho estar acontecendo.

 ABUSO SEXUAL INFANTIL É CRIME! DENUNCIE !!!! 

3 comentários:

Juliana Bragança(juju) disse...

É a dor mais triste que eu já senti.
fui vitima de abuso mas só me lembrei a pouco tempo fui abusada quando tinha 8 anos agora tenho 25.E verdade devastou a minha vida por completo faço terapia tomo anti depressivos me ajuda mas nunca irá arrancar da minha memória o que aconteceu! é crime deve ser denunciado mas infelizmente tenho medo de quem me abusou eu não contei pra ninguém quem foi (o nome da pessoa)Mas não sigam meu errôneo comportamento denuncie é muito importante.

rogerio disse...

Olá Rosa,meu nome é Maria do Rosário, eu sou mãe de um menino do 6 anos, e suspeito desde que comecei a estudar o assunto TDO que ele possa sofrer desse transtorno como também do TDAH. Se por um lado é um alívio ter uma noção do que se passa com meu filho (afinal, terrível mesmo é não saber...), por outro lado ainda me angustia o medo de não saber o que fazer. Tenho consulta marcada ainda em maio pelo SUS para uma avaliação mais criteriosa, mas desde já me interessei por tomar conhecimento de tudo sobre o assunto. Pois caso a suspeita se confirme quero ajudá-lo da melhor forma e por isso gostaria muito se possível que você me indicasse materiais de leitura. Obrigada!

Maria do Rosário, Salvador-Ba

J.A disse...

Não acredito que exista muita eficácia no ato de tentar ensinar uma criança a se precaver contra abusadores; penso que a observação dos pais seja algo mais relevante. De qualquer forma, é sempre bom tentar esclarecer as crianças sobre esse assunto.
Eu não recebi esse "esclarecimento", mas tenho certeza que não teria feito muita diferença. A pessoa que se aproveitou da minha inocência, tinha todos os meios para me ludibriar, conquistar a minha confiança e abusar da mesma.